Follow by Email

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Versão 1.9 e chuva de besouros

Acabei de chegar da faculdade e fazer a minha janta, mas quando eu fui fritar os negócios, pra não ficar um terrível cheiro de fritura na casa, abri a janela(péssima ideia) e então mais ou menos uns 25 besouros daqueles marrons irritantes que por alguma razão suicida e inexplicável gostam de passar raspando por sua cabeça, entraram pela cozinha e começaram a fazer do lugar uma orquestra de bater de azas. Ai meu espirito guerreiro(que?) ligou e eu comecei a estapear os bixos até sobrar só uns 10 grudados em qualquer canto da casa. Malditos besouros...
Sim, eu ainda vou escrever no inside. ;]
A versão 1.9 acabou de chegar. O engraçado que minha avó veio aqui em casa quase na hora em que eu nasci, e quando isso aconteceu foi ela quem me acompanhou até o berçário do hospital awn :3-n
Segunda-feira eu ouvi as palavras mais tranquilizantes e terapêuticas que podem existir. Nas postagens anteriores eu comentei em como eu me esforçava para me sentir aceito e apreciado, e como eu me sentia um patinho feio no meio do povo. Isso não servia só pra ferrar com a minha mente ou com a minha habilidade de socializar com pessoas, mas com o fato de que alguém pudesse um dia me querer.
E ai quando eu sai para olhar vitrines(lindas vitrines de Natal esse ano) com a minha mãe e depois parar para um lanche, ela me falou que estava orando  para que eu encontrasse alguém especial e que me aceitasse e que eu aceitasse ela também. Aquilo foi um dos dons da minha mãe de ler mentes porque na mesma hora eu estava pensando sobre esse assunto de morrer e definhar solteiro.
Eu não sei como não acreditar que minha mãe não foi um anjo naquela hora ( como ela é em todas as horas) pois uma paz imensa me invadiu, e eu não me senti mais rejeitado pelas pessoas, eu me senti integro. eu não me impunha só por fora, mas eu sentia que dentro de mim algo mudou.
Sabe aquele sonho em que você está correndo sem sair do lugar, ou caindo até que acorda com um pulo em sua cama, ou tropeça no sonho e acorda coiceando a gata/cadela que até então dormia em paz ao seu lado?(isso realmente aconteceu um dia)
Foi como se eu estivesse num daquele problemas cabeludos de física e alguém simplesmente me mostrasse um jeito mais fácil de resolver. Simples, e libertadora, aquela frase  me deixou respirar sem me preocupar com coisas que já estão garantidas. Querendo ou não um futuro já está traçado em cada escolha que eu faço.
Se você simplesmente ignorar o fato de que as pessoas que te julgam são as que mais se sentem incompletas e vazias, sem parecer um ignorante idiota, você se sente confiável o suficiente para sorrir por dentro e por fora.
Ter um pouco de cara de pau não faz tão mau assim e blá blá blá...